Em Washington DC a semana passada durante o  House Hunger Caucus conferência , a palestrante, Cheril Morden, Diretora do Gabinete de Ligação norte- Americano International Fund for Agricultural Development (IFAD), concluiu que com os  financiamentos agrícolas globais, comunidades lutam para aliviar a fome e a pobreza, há uma “ grande recompensa centralizando esforços nas mulheres”, e também “ negligência-las acaretará um grande prejuízo.”

Um fazendeiro da favela Kibera, em Nairobi, Quénia mostra Danielle Nierenberg (à esquerda) sua fazenda vertical. (photo: Bernard Pollack)

Embora as mulheres agricultoras produzem mais da metade dos alimentos produzidos no mundo e cerca de 1,6 bilhões mulheres dependem da agricultura para sua subsistência, muitas vezes não são capazes de beneficiar de um financiamento agrícola  em geral, devido às barreiras institucionais e culturais que enfrentam, inclusive a falta de acesso à terra, a falta de acesso ao crédito, e a falta de acesso à educação. Mundialmente, as mulheres recebem apenas aproximadamente 5 por cento dos serviços de extensão agrícola e possui cerca de 2 por cento da terra no mundo inteiro.

Mas a pesquisa tem mostrado que, quando os rendimentos das mulheres são melhores, e quando elas têm um melhor acesso a recursos como educação, infra-estrutura, crédito e saúde, as mulheres tendem a investir mais na alimentação, educação e saúde de suas famílias, causando um efeito de ondulação dos benefícios que podem  se estender a toda a comunidade.

Em Kibera – na maior favela da África subsaariana  em Nairobi, no Quênia, onde em qualquer lugar de 700.000 a um milhão de pessoas vivem-  as agricultoras, com treinamento e sementes fornecidas pela ONG francesa Solidarités, estão cultivando  legumes em sacos cheios de sujeira. Mais de 1.000 mulheres estão cultivando alimentos desta forma. Durante a crise alimentar no Quénia em 2007 e 2008, quando o conflito em Nairobi impediu a chegada dos alimentos  à região, a maioria dos moradores não passaram fome porque  havia tantas dessas “fazendas verticais” .

Em Zâmbia, Veronica Sianchenga, uma  agricultora morando em  Kabuyu Village, verificou  melhorias na qualidade de vida da sua família, quando ela começou a irrigar sua fazenda com a “Mosi-o-Tunya” (bomba que Thunders), uma bomba de pressão que ela comprou da International Development Enterprises (IDE). Em muitas partes da África sub-saariana, a tarefa de coleta de água – em regiões mais secas do continente isso pode requerer até oito horas de trabalho por dia – geralmente cabe às mulheres. Explicando que seus filhos estão comendo mais saudável, com mais vegetais na suas dietas, a Sra. Sianchenga acrescenta que ela também está desfrutando de maior independência. “Agora nós não estamos contando apenas com os nossos maridos, porque agora somos capazes de fazer nossos próprios projetos e podemos ajudar os nossos maridos, nossas famílias podem ter uma aparência melhor, comer melhor, vestir melhor – até mesmo para ter uma casa”.

Em Ruanda, os Farmers of the Future Initiative (FOFI) ajudam  a capacitar  meninas  e outros alunos, integrando escolas de jardinagem e  formação agrícola nos currículos da escola primária. Mais de 60 por cento dos estudantes em  Ruanda, depois de se formarem, irão retornar para as áreas rurais  e  irão trabalhar em fazendas  para sobreviver  em vez de ir para a escola secundária ou universidade. Embora ambos os meninos e as meninas beneficiam da formação, é especialmente importante para as meninas  aprenderem essas habilidades, diz Josephine Tuyishimire, de modo que elas possam evitar a dependência dos homens para a segurança alimentar e financeira. E assim eles podem compartilhar o que aprendem.

Ao “passar esses conhecimentos para as gerações futuras”, ou as crianças que estão  muitas vezes sob seus cuidados- disse Tuyishimire, as mulheres ajudam a criar os futuros agricultores que estarão preparados a se alimentarem e da mesma forma auto-suficiente e autónomos.

Para saber mais sobre o importante papel das mulheres  para aliviar a fome mundial e a pobreza, ver: Farming on the Urban Fringe, Building a Methane Fueled Fire, Women Entrepreneurs: Adding Value, Women Farmers Are Key to Halving Global Hunger by 2015, For Many Women, Improved Access to Water is About More than Having Something to Drink, e  Reducing the Things They Carry.

África subsaariana, agrícola, Americano International Fund for Agricultural Development, bomba de pressao, Cheril Morden, educação, Gabinete de Ligacao, House Hunger Caucus, International Development Enterprises, Kibera, Mosi-o-Tunya, Solidarités, Washington DC